Páginas

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

POLÍCIA CIVIL TEM DÉFICIT DE 70% NO NÚMERO DE AGENTES, DIZ DELEGADA GERAL

Delegada Ana Cláudia Saraiva
A Polícia Civil do Rio Grande do Norte tem déficit de 70% no número de agentes e escrivães. Das 5.150 vagas destinadas ao corpo policial, apenas 1.480 estão hoje preenchidas, segundo a delegada geral do Estado, Ana Cláudia Saraiva, que está há quase dois meses no cargo.
Segundo ela, o contingente de policiais é, atualmente, o maior empecilho para uma maior eficiência dos serviços prestados de investigação criminal. Além disso, a instituição também sofre com insuficiência de recursos.
“O principal desafio é em relação aos recursos financeiros. Estamos procurando recursos em Brasília. Já estive, por duas vezes, na Secretaria Nacional de Segurança Pública”, diz a delegada geral, durante entrevista para o programa “Agora em Debate”, da rádio Agora FM (97,9 FM).


De acordo com a Lei Estadual 417/2010, que define a constituição da Polícia Civil no Rio Grande do Norte, o corpo efetivo de policiais deveria ser de cinco mil profissionais, mas hoje, segundo Ana Cláudia Saraiva, apenas 30% dos cargos estão ocupados. “Se considerarmos o aumento populacional, a explosão da violência e o avanço das facções criminosas, o déficit pode ser ainda maior”, considera.
 Ainda segundo a delegada geral, para suprir a ausência de servidores, isso enquanto o concurso para a Polícia Civil não é realizado, é o fortalecer a integração das forças de segurança. “Temos que melhorar e implementar uma segurança pública. Por isso, é muito importante continuar com a integração das forças de segurança. O milagre não é de um santo só”, aponta.
Ela comemorou os números obtidos no primeiro mês de gestão Fátima Bezerra. O Rio Grande do Norte apresentou queda de 43% no número de crimes no primeiro mês de 2019, quando comparado ao mesmo mês em 2018, de acordo com a Coordenadora de Informações Estatísticas e Análises Criminais (Coine). Foram registrados 161 casos no primeiro mês de 2018, contra os 91 dos primeiros 31 dias de 2019.
O concurso da Polícia Civil foi iniciado em 2018, mas, em razão de falhas no edital, o Governo do Estado decidiu suspender todo o processo. Em 8 de janeiro, a Secretaria Estadual de Administração e Recursos Humanos (Searh) criou uma nova comissão para gerir o concurso, que ainda não tem prazo para acontecer. A seleção vai abrir vagas para 1 mil novos agentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário