Páginas

sábado, 20 de junho de 2020

"ESTOU CONVICTO DE QUE A DEMOCRACIA NO BRASIL ESTÁ SEGURA. MAS ELA TEM QUE SER PERMANENTEMENTE DEFENDIDA PELA SOCIEDADE", DIZ TOFFOLI

Foto: Rosinei Coutinho/STF

O ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), disse acreditar que a democracia não está sob ameaça, mas reforçou a importância da defesa do sistema político pela sociedade.
Após pedido de Toffoli, a Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu investigações para apurar a autoria do ataque com fogos de artifício ao prédio do tribunal, ocorrido na noite de 13 de junho, em Brasília. A ação ocorreu após um acampamento de apoiadores ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter sido desmontado na região da Esplanada dos Ministérios por orientação do governo do Distrito Federal.
“Estou convicto de que a democracia do Brasil está segura. Mas ela tem que ser permanentemente defendida pela sociedade”, disse.
A declaração foi dada hoje à tarde em uma live com duas horas de duração sobre o papel do STF em tempos de crise transmitida hoje, com a participação de Nelson Jobim, ex-ministro do Supremo, e do advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay. A videoconferência foi organizada pelo Grupo Prerrogativas.
“O mais difícil é conduzir uma Corte com pandemia, com instabilidade e dificuldades de realizações. Temos um Supremo mais unido, com imagem melhor na sociedade. Isso tem sido fundamental para o esforço de defesa da democracia”, argumentou.


Mesmo sem citar a ação com fogos de artifício, ele se referiu indiretamente ao episódio. “São ataques chulos à Corte. Estamos chegando a quase 50 mil mortos [por covid-19]. São dias tristes, de perspectivas difíceis. E que, muitas vezes, nos deixam preocupados com os destinos da nação”. Ele também se referiu ao momento político como o da “ideologia das redes sociais”, que priorizam o conflito.
Toffoli também falou sobre a importância da atuação do Supremo em meio à pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. “Nesse período de pandemia, todos viram os ministros em lives e vídeos. [Os ministros] não se furtaram a debater as questões que acontecem no dia a dia do país”, disse.
Ele também reforçou a importância dos advogados na luta pela democracia no momento de turbulência que o país atravessa. “Pela sua própria razão de existência, os advogados defendem a democracia e o estado democrático de direito. Nós somos uma república de bacharéis, sim. Muitas vezes, quem pensa nacionalmente o Brasil não são as universidades, não são os partidos políticos”.
A live ainda contou com a participação gravada do ex-presidente José Sarney (MDB), que perguntou a Toffoli sobre as dificuldades de conduzir o Supremo.
UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário