Páginas

sábado, 18 de julho de 2020

DESEMPREGO DEVE BATER RECORDE NO 3º TRIMESTRE E ATINGIR 15 MILHÕES


Em alta desde os primeiros casos de covid-19 no país, o desemprego só deve atingir o pico no trimestre encerrado em setembro, quando alcançará 14,5%. As projeções são da consultoria IDados a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, e consideram cenário que inclui a quebradeira nas empresas provocada pela pandemia e a maior procura por trabalho.
Entre julho e setembro deste ano, 15 milhões de trabalhadores podem ficar sem ocupação, pelos efeitos da crise. A estimativa considera tanto os trabalhos formais quanto os informais e, se confirmada, significaria uma taxa de desocupação recorde. Até agora, o maior porcentual registrado pela pesquisa foi de 13,7%, ou 14 milhões de brasileiros. O patamar foi observado em março de 2017, logo após a última recessão.
O economista Bruno Ottoni, pesquisador da IDados, lembra que o mercado de trabalho tem um comportamento mais lento do que o restante da economia. “Nesta crise, vamos ver esse efeito de volta dos trabalhadores no terceiro trimestre, quando as cidades reabrindo e as pessoas que ficaram desempregadas voltarem a buscar trabalho. O problema é que as vagas vão demorar a aparecer.”


No caso da vendedora Maria da Guia dos Santos, de 50 anos, os últimos meses não têm sido nada fáceis. Trabalhando por toda a vida em uma feira de artesanatos na orla do Rio de Janeiro, ela se viu sem poder trabalhar. “A gente lutou por anos para legalizar a feira, tudo parecia bem. Então, apareceu essa doença maldita e o que a gente conquistou foi reduzido a pó.”
O mercado de trabalho tem sentido os efeitos da quarentena. No trimestre até maio, o país teve pela primeira vez um número maior de desempregados do que empregados, entre os brasileiros em idade para trabalhar. Além disso, como uma reportagem do Estadão apontou, o desemprego não tem crescido tanto porque vem sendo atenuado por quedas significativas da taxa de participação – as pessoas deixam de procurar emprego por causa da pandemia e param de aparecer nas estatísticas de desocupação, fazendo o desemprego parecer menor.
“A taxa de desocupação funciona como um efeito ‘nariz na porta’, a pessoa é considerada desocupada se ela pôde procurar um emprego e não encontrou”, diz o economista sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes.
Uma estimativa do Itaú Unibanco apontava que no trimestre até abril, quando as medidas de isolamento social foram mais duras, o desemprego teria chegado a 16%, se os trabalhadores pudessem ter procurado por uma vaga, bem acima dos 12,6% registrados. Só que a saída das pessoas da força de trabalho deve se esgotar este mês, o que fará com que mais gente volte a procurar trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário