GOVERNO GASTOU 4% DO PIB COM A 1ª FASE DO AUXÍLIO EMERGENCIAL

 

Sob os efeitos da pandemia, o governo Jair Bolsonaro gastou 4% do Produto Interno Bruto com as 9 parcelas do auxílio emergencial, totalizando R$ 294,7 bilhões. O benefício chegou diretamente a 68,2 milhões de pessoas, o que representa 32,2% da população e cerca de 40% das residências do país.

Chamado de coronavoucher por alguns integrantes do governo, o estipêndio foi financiado por meio da emissão da dívida pública, que atingiu R$ 5 trilhões em 2020. O estoque do passivo brasileiro atingiu o nível recorde de 89,3% do PIB.

Na avaliação do governo, a alta da dívida para mitigar os efeitos do isolamento social foi necessária para evitar o aumento da extrema pobreza.

Para se ter uma ideia do tamanho do programa, o volume gasto equivale a quase 10 anos de Bolsa Família.

O economista Ecio Costa, professor da UFPE, estudou os impactos do auxílio sobre a massa de rendimentos nos Estados e municípios. Ele relata que diversas regiões, principalmente as do interior do Norte e Nordeste, tiveram alta de até 30% na economia local. Muitas famílias puderam comer carne, fazer pequenas reformas em suas residências e até poupança em meio à crise. As empresas também se beneficiaram do auxílio, principalmente aquelas ligadas ao comércio.

Do total de beneficiários do auxílio, 19,5 milhões já recebiam Bolsa Família. Outros 10,5 milhões estavam inscritos no cadastro único. Já 38,2 milhões, os chamados de “invisíveis”, tiveram que fazer um cadastro pelo aplicativo da Caixa ou no site para terem o direito ao benefício reconhecido pelo governo.

PODER360

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÍTIO NOVO (RN): MUNICÍPIO REGISTRA CASO SUSPEITO DE CORONAVÍRUS; MEDIDAS JÁ ESTÃO SENDO TOMADAS

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

JOVEM EMPRESÁRIA FAZ DOAÇÕES DE CESTAS BÁSICAS PARA FAMÍLIAS CARENTES DA CIDADE DE SANTO ANTÔNIO/RN