O melhor site de apostas!

O melhor site de apostas!
Clique na imagem e vá direto ao site.

ALTA DOS COMBUSTÍVEIS JÁ PRESSIONA INFLAÇÃO PARA 2021

 


O reajuste de preço dos combustíveis já vem dando suas caras na inflação. Por exemplo, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15), considerado uma prévia da inflação, subiu 0,48% em fevereiro. Segundo o IBGE, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis apresentaram alta no mês, e o maior impacto foi do grupo Transportes (1,1%).

Essa tendência tem tudo para continuar. Já no primeiro dia de março, a Petrobras voltou a reajustar os preços dos combustíveis nas refinarias. Segundo as contas de André Perfeito, economista-chefe da Necton, isso representará, no curto prazo, "uma nova pressão de pelo menos 0,2%" sobre o IPCA, que mede a inflação no país.

Álvaro Frasson, economista do BTG Pactual Digital, explica que o mercado até esperava uma alta da inflação no primeiro semestre, atingindo um patamar de 6% a 6,5% em 12 meses, por causa da reabertura das economias ao redor do mundo. A dúvida, agora, é se esse valor cairá no final do ano.

"Já se esperava um avanço da inflação até junho, julho. Mas os indicadores estão surpreendendo e o mercado não tem mais tanta certeza que o indicador vai cair até o final do ano", explica. O BTG corrigiu sua projeção do IPCA para 4,1% no ano, assim como Necton e Ativa.

A projeção do Boletim Focus também subiu, para 3,87%. Essa foi a oitava alta consecutiva na estimativa do índice. Há uma semana era de 3,82% e há um mês, de 3,53%. 

Dólar também afeta preço dos combustíveis

O preço dos combustíveis varia, principalmente, de acordo com duas grandes variáveis: o valor do barril de petróleo e, por ser uma commodity negociada internacionalmente, o valor do dólar. Além do ambiente externo, que propicia a alta das commodities por causa da forte demanda chinesa, problemas internos dão um peso ainda maior para o movimento.

A intervenção do governo na Petrobras, por exemplo, deixou os investidores de cabelos em pé. "A emenda ficou pior do que o soneto", diz André Perfeito, economista-chefe da Necton. O que acontece: a instabilidade enfraquece o real e, como o petróleo tem lastro em dólar, essa diferença de preços aumenta mais. 

A alta do dólar não tem dado folgas para o mercado nacional neste início de 2021. Nesta terça-feira (2), por exemplo, a moeda voltou a operar acima dos R$ 5,70, valor próximo ao recorde histórico registrado pela divisa durante a crise do ano passado.

"O reajuste do dia 1º pode impactar a inflação em março, mas os recentes ganhos da moeda americana já criaram uma defasagem de outros 10% nos preços [dos combustíveis no Brasil] em relação ao mercado internacional", diz Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, indicando que um problema retroalimenta o outro.

Nessa linha, Frasson, do BTG, diz que uma pequena parte da desvalorização cambial que vivemos é fruto de uma valorização dos títulos do tesouro americanos, o que enfraquece os mercados emergentes, mas que o grande problema para os investidores tem sido a indefinição fiscal e os ruídos políticos no Brasil.

Futuro da Petrobras

Para corrigir a distorção, o mercado vê como urgente uma solução de longo prazo para a atuação da estatal. O problema é como isso será feito. Sanchez entende que, antes de qualquer coisa, é preciso que se resolva o problema de comunicação existente entre governo e sociedade civil.

Perfeito, da Necton, reforça o sentimento. "Até senti que este novo aumento foi uma resposta do conselho de administração da companhia ao presidente, tentando passar uma ideia de normalidade para o mercado", diz. "Mas a indicação já foi feita, agora precisamos entender o que vai mudar na prática."

Mais profundamente, ele também afirma que este é um bom momento para que se discuta o papel da Petrobras enquanto empresa estatal. O economista defende que não se pode mudar a política da empresa "de 8 para 80 a cada três anos". 

"O PT controlava preços e a Petrobras até cresceu, apesar dos problemas conhecidos. Aí veio a Lava Jato e uma nova gestão, que liberou tudo de uma vez", relembra. "Até o Temer precisou demitir o Pedro Parente, porque tinha reajuste toda semana. É um preço chave na economia, precisa discutir direito."

Por conta disso, acredita que o caminho a se seguir é algo na linha de um fundo estabilizador de preços, que não repassa as altas e nem reajusta para baixo as quedas, a partir de um patamar pré-estabelecido. Frasson, por outro lado, diz que qualquer intervenção seria resolver um problema criando outro.

Comentários

LOJA PARCEIRA DO BLOG

LOJA PARCEIRA DO BLOG

Notícias mais lidas na semana.

AGNALDO NUNES É NOMEADO SECRETÁRIO-ADJUNTO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SANTO ANTÔNIO/RN

VÍDEO: VEREADOR LEANDRO ORÁCIO REIVINDICA ABERTURA DA COZINHA COMUNITÁRIA E DISTRIBUIÇÃO DE REFEIÇÕES URGENTES PARA POPULAÇÃO DE SANTO ANTÔNIO

GOVERNO DO RN DIVULGA EDITAL DO CONCURSO DO ITEP

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO
ESCOLINHA PARCEIRA DO BLOG

Postagens mais visitadas deste blog

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

TUDO EM CASA, EM UMA GRANDE FAMÍLIA: PREFEITO DE PASSAGEM (RN) FAZ FARRA DE NOMEAÇÕES FAMILIARES EM SUA GESTÃO