AGRICULTORES COMEMORAM COLHEITA DO FEIJÃO VERDE APÓS CHUVAS IRREGULARES NA REGIÃO OESTE DO RN

 

Zacarias e Dona Toinha debulhando o feijão recém-colhido — Foto: Flávio Soares/Inter TV Costa Branca


Na casa de Antônia Alves, a Dona Toinha, tem feijão verde para o almoço nos próximos dias. O preparo une a tradição e a simplicidade do sertanejo. É na área da casa onde tudo começa. Bacia na mão e a companhia do marido Francisco Zacarias para debulhar o feijão verdinho recém-chegado do roçado. Nessa época do ano, a debulha do veijão verde vira rotina por aqui.

O feijão veio do roçado na família, que fica a poucos quilômetros da casa deles, na Comunidade Posto Agrícola, zona rural do município de Paraú, no Oeste potiguar. A colheita começou esta semana. O feijão retirado do campo ainda é pouco se comparado ao mesmo período do ano passado, diz a agricultora. É que a falta de chuva regular atrapalhou o plantio.

Os agricultores até chegaram a pensar que as plantas não iriam crescer e a plantação não iria aguentar tanto tempo sem água. Mas a chuva se intensificou na região e mudou a paisagem do roçado.

"A gente plantou no começo do ano e ficou sem chover depois. Nós ficamos desanimados, mas a chuva veio, a gente plantou de novo e está dando certo. Estamos agora colhendo e vamos fazer o que puder para ter mais feijão ao longo do mês", comemora o agricultor Antônio Francisco, filho de Dona Toinha.

Com o inverno tardio, o a família acredita que ainda deve colher uma saca de feijão, cerca de 60kg do grão. No ano passado, quando o período de chuva foi mais generoso, o agricultor colheu duas sacas de feijão. Alguns grãos ainda estão guardados em casa, em garrafas pets, para não estragar. Mas o agricultor não desanima e continua acreditando que o inverno ainda pode surpreender este ano.

Depois que o trabalho de debulhar acaba é hora de colocar o feijão na panela. E não tem muito segredo no preparo. Basta água e sal e em alguns minutinhos no fogo o feijão tá pronto. Se quiser caprichar, manteiga da terra e creme do sertão. "Eu gosto muito de feijão verde. Quando tem, quase todos os dias eu coloco no fogo", conta Toinha.

Quem também não tem do que reclamar é o agricultor Antônio José. Ele disse que aprendeu com o pai que agricultor deve plantar cedo, nas primeiras chuvas. Arriscou e se deu bem. Na área de um hectare, o feijão está no ponto de ser colhido. O agricultor estava ansioso aguardando o momento certo de começar a retirar as vagens do roçado.

"Já tem milho maduro e o feijão apesar de ter dado mais fraco, já estamos colhendo. Normalmente, a gente começa a colher no começo de abril, mas por causa da chuva que não veio do jeito que a gente esperava, comecei a colher já depois da metade do mês", explica o agricultor que segue aguardando mais chuva na região.

"Enquanto durar o inverno, a gente tá aqui esperando pra colher. Se Deus quiser, vem mais chuva por aí".

Comentários

Notícias mais lidas na semana.

VÍDEO : FILA E DESORGANIZAÇÃO NO DIA DE MARCAÇÃO DE ULTRAS NA SECRETARIA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO-RN

CASAL COM DEFICIÊNCIA VISUAL TERÁ HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR PROGRAMA DA 96 FM NA SEGUNDAFEIRA (20); VEJA VÍDEO

EMPRESÁRIOS SANTO-ANTONIENSES ABÍLIO E WELLINGTON DECLARAM APOIO AO DEPUTADO ESTADUAL RAIMUNDO FERNADNES PARA 2022

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO
ESCOLINHA PARCEIRA DO BLOG

Postagens mais visitadas deste blog

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

TUDO EM CASA, EM UMA GRANDE FAMÍLIA: PREFEITO DE PASSAGEM (RN) FAZ FARRA DE NOMEAÇÕES FAMILIARES EM SUA GESTÃO