O melhor site de apostas!

O melhor site de apostas!
Clique na imagem e vá direto ao site.

HIDROXICLOROQUINA POR INALAÇÃO É "EXPERIMENTAL" E SÓ PODE EM PESQUISA, DIZ CFM

 

Hidroxicloroquina por inalação é “experimental” e só pode em pesquisa. Foto: Reprodução



Em resolução publicada no Diário Oficial da União, o CFM (Conselho Federal de Medicina) define como “procedimento experimental” a inalação de hidroxicloroquina e cloroquina. Assim, fica estabelecido pela resolução 2.292/2021 que o procedimento é irregular, ilegal e antiético. 

O uso do procedimento é exclusivo para pesquisas aprovadas no CEP/Conep (Comitês de Ética em Pesquisa e Comissão Nacional de Ética em Pesquisa). 

A resolução foi editada “após o CFM se debruçar sobre aventada possibilidade de a apresentação inalada desses fármacos ser uma alternativa para reduzir o risco de eventos adversos e aumentar eficácia no tratamento contra a covid-19”. 

O CFM destacou que a inalação de HCQ (hidroxicloroquina) “não é preconizada pelo fabricante, não havendo na literatura nenhuma informação sobre a eficácia e segurança aplicada por essa via, assim como dados sobre sua farmacocinética e farmacodinâmica nessa situação”. 

A administração por via aérea também se caracteriza como uso ” ‘off label’ (sem indicação na bula) da medicação, sendo necessárias pesquisas que comprovem a eficácia e segurança HCQ, assim como a dose ser aplicada”, explica o CFM. 

O Conselho lembra que cabe ao médico e ao paciente decidirem junto sobre a administração via oral da cloroquina, como preconizado no parecer 4/2020, em pacientes diagnosticados com covid-19. 

O relator da resolução, conselheiro Domingos Sávio disse que a dissolução de um comprimido de HCQ para produzir uma solução para inalação não deve ser considerada “em vista dos excipientes presentes no produto, que podem ser agressivos às vias aéreas, e da dificuldade de estabelecer as dosagens compatíveis com os limites da administração inalada”. 

As apresentações orais de hidroxicloroquina e cloroquina de diferentes fabricantes podem ter excipientes diferentes para medicamentos orais recomendada pelas agências reguladoras de medicamentos. 

Para Sávio, a nova apresentação medicamentosa para uso inalatório é um processo complexo, da competência de farmacêuticos especializados em técnica farmacêutica. 

Tal fato não deve ser ignorado pelo médico que pretende prescrever o medicamento, “pois se trata de procedimento experimental e está fora de sua competência responsabilizar-se pela qualidade, pureza e segurança de um produto experimental que foi processado por outro profissional de saúde”.



Comentários

Notícias mais lidas na semana.

GOVERNO LIBERA VAQUEJADAS NO RN ; CONFIRA AS REGRAS

SÓ ISSO PREFEITA ? LICITAÇÃO DE QUASE MEIO MILHÃO DA PREFEITURA DE LAGOA DE VELHOS/RN

14 MUNICÍPIOS DO RN REGISTRAM PIORA NA PANDEMIA ; CONFIRA LISTA DAS CIDADES EM ALERTA

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO
ESCOLINHA PARCEIRA DO BLOG

Postagens mais visitadas deste blog

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

TUDO EM CASA, EM UMA GRANDE FAMÍLIA: PREFEITO DE PASSAGEM (RN) FAZ FARRA DE NOMEAÇÕES FAMILIARES EM SUA GESTÃO

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%