DE JANEIRO A JULHO, ADOÇÕES CRESCEM QUASE 40% NO RN EM COMPARAÇÃO COM 2020

 

REPRODUÇÃO

A quantidade de adoções de crianças a adolescentes de janeiro a julho deste ano cresceram 38,46% em relação ao mesmo período de 2020.  Dados da Coordenadoria da Infância e Juventude do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte (CEIJ/RN), baseados no Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), indicam que nestes sete meses de 2021, foram concluídas 18 adoções no estado, média de 2,57 a cada 30 dias.

Campanhas contínuas para sensibilizar a sociedade são um dos fatores a contribuir para este número maior de adoções. “Este é um trabalho que envolve todos os segmentos sociais (sociedade civil organizada, poder público e outros), com o mesmo objetivo. Além da criação de programas específicos como, por exemplo, o Atitude Legal e outros similares, sem esquecer do olhar mais consciente da sociedade”, explica o juiz coordenador da Infância e Juventude do TJRN, José Dantas de Paiva.

Este ano, essas adoções foram concluídas por varas judiciárias das comarcas de Natal, Mossoró, Parnamirim, Caicó, Areia Branca, Goianinha, Nísia Floresta e Santo Antônio. No ano passado, até julho, foram computados 13 processos deste tipo formalizados pela Justiça estadual em unidades das comarcas de Natal, Macau e Currais Novos. A média mensal foi de 1,85 adoção.

Os dados apontam a adoção de crianças ou adolescentes com idades entre 7 e 16 anos, anteriormente, um faixa etária que despertava menor interesse de postulantes à adoção. Paulatinamente, essa realidade vem mudando. E apesar deste movimento em direção a essas crianças ainda não há uma realidade consolidada quanto a este item. “Ainda existe um longo caminho a percorrer. Na verdade, todos gostariam de adotar uma criança recém-nascida, no entanto, por falta de bebês novos, optam por crianças com mais de três anos de idade. Muito ainda deve ser feito”, observa José Dantas de Paiva.

Em 2020, 38,46% das adoções envolveram crianças de até 1 ano de idade. De 1 até 3 anos, o índice registrado é de 23,08%. Acima dos 3 anos, o percentual é igual ao de crianças de até 1 ano. No ano de 2021, as porcentagens são de 44,44%, 11,12% e 44,44%, respectivamente. Lembrando que o recorte temporal comparativo entre 2020 e 2021 vai até julho.

Pandemia

Outro dado relevante havia sido anunciado pela CEIJ/RN em maio, quando foi informado pelo órgão do Poder Judiciário potiguar que de 2019 para 2020, as adoções no estado aumentaram 15%. De 27 para 31 crianças e adolescentes, um dado expressivo porque durante ¾ do ano passado toda a sociedade enfrentou meses marcados pela pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), período notoriamente marcado por dificuldades de renda para boa parte das famílias, além das restrições recomendadas por instituições científicas ligadas à área da saúde.

Comentários

Notícias mais lidas na semana.

VÍDEO : FILA E DESORGANIZAÇÃO NO DIA DE MARCAÇÃO DE ULTRAS NA SECRETARIA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO-RN

EMPRESÁRIOS SANTO-ANTONIENSES ABÍLIO E WELLINGTON DECLARAM APOIO AO DEPUTADO ESTADUAL RAIMUNDO FERNADNES PARA 2022

TRE CASSA MANDATO DO PREFEITO DE CANGUARETAMA/RN E DETERMINA ELEIÇÃO SUPLEMENTAR NO MUNICÍPIO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO
ESCOLINHA PARCEIRA DO BLOG

Postagens mais visitadas deste blog

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

TUDO EM CASA, EM UMA GRANDE FAMÍLIA: PREFEITO DE PASSAGEM (RN) FAZ FARRA DE NOMEAÇÕES FAMILIARES EM SUA GESTÃO