POR FALTA DE PEÇAS, MONTADORAS PARALISAM FABRICAÇÃO DE 280 MIL VEÍCULOS NO PAÍS

 


Com a crise dos semicondutores, o Brasil deixará de produzir este ano entre 240 mil e 280 mil veículos, segundo estimativa feita pela consultoria Boston Consulting Group (BCG) e divulgada pela Anfavea nesta quarta. Na indústria automotiva global, o impacto será de uma perda de produção entre 7 milhões e 9 milhões de unidades este ano.

No Brasil, a produção de carros de passeio registrou o pior nível para um mês de agosto em 18 anos por conta da falta de peças. Foram fabricadas 119 mil unidades.

“A consultoria refez as projeções e avaliou que haverá uma perda maior do que o estimado anteriormente. A estimava anterior indicava que entre 5 milhões e 7 milhões de veículos deixariam de ser produzidos no mundo. Agora, esse número está entre 7 milhões e 9 milhões”, disse Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.

No mês passado, foram vendidas 172,8 mil unidades, número mais baixo para um agosto em 16 anos. Na comparação com julho, a queda das vendas foi de 1,5%. Desde o início do ano, o total vendido chega a 1,42 milhão de veículos, 21,9% a mais do que nos oito primeiros meses de 2020, período em que as vendas foram impactadas pela pandemia.

Com a pandemia houve um descompasso entre a produção de semicondutores e a retomada da demanda na indústria automotiva. Uma boa parte da produção dos chips foi desviada para a indústria de games, computadores, celulares enquanto as linhas de produçao das montadoras estavam paradas. Quando houve a reabertura, faltaram peças.

Além disso, outros eventos externos prejudicaram a produção de chips em fábricas do Japão, Taiwan, Malásia e nos Estados unidos. No Japão, um incêndio numa unidade de produção paralisou a produção.Nos EUA, uma nevasca no Texas interrompeu a produção. Em Taiwan, a falta d’água em uma das principais fábricas paralisou a fabricação. E, na Malásia, o crescimento de casos de Covid pela variante Delta interrompeu a produção.

“Houve uma tempestade perfeita no setor”, disse Moraes, lembrando outras dificuldades na produção de veículos como o aumento do preço do aço, atraso nos navios que transportam peças, falta de contêineres e aumento do frete aéreo.

A estimativa da BCG é que o problema de fornececimento dos semicondutores só se normalize no segundo semestre de 2022.

No Brasil, outra preocupação do setor é a alta da inflação. Com o aumento dos juros promovido pelo Banco Central para frear o aumento dos preços, o CDC (crédito Direto ao Consumidor) linha de financiamento de veículos tende a subir. A taxa média do CDC está em 22% ao ano e a estimativa é que suba para 26%

“Quando a Selic estava em 6%, o CDC era de 20%. Os juros cairam até 2% ao ano, mas o CDC não se alterou. Agora, quando os juros sobem, o CDC também é elevado”, explicou Moraes.

Comentários

Notícias mais lidas na semana.

VÍDEO : FILA E DESORGANIZAÇÃO NO DIA DE MARCAÇÃO DE ULTRAS NA SECRETARIA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO-RN

CASAL COM DEFICIÊNCIA VISUAL TERÁ HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR PROGRAMA DA 96 FM NA SEGUNDAFEIRA (20); VEJA VÍDEO

[VÍDEO E FOTO] PÂNICO NA REDINHA : PESSOAS SÃO LEVADAS PELA CORRENTEZA E BOMBEIROS RESGATAM VÍTIMAS DE AFOGAMENTO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO

ESCOLINHA DE FUTEBOL ACADEMIA ESTEVÃO
ESCOLINHA PARCEIRA DO BLOG

Postagens mais visitadas deste blog

JOVEM PASTORA E EMPRESÁRIA NAYARA BEZERRA, FAZ DOAÇÃO DE UMA CASA PRÓPRIA PARA UMA FAMÍLIA EM SANTO ANTÔNIO-RN

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

TUDO EM CASA, EM UMA GRANDE FAMÍLIA: PREFEITO DE PASSAGEM (RN) FAZ FARRA DE NOMEAÇÕES FAMILIARES EM SUA GESTÃO