IPEC: 50% ACHAM QUE LULA FARÁ UM GOVERNO ÓTIMO OU BOM

Imagem
  Pesquisa do instituto Ipec divulgada nesta quinta-feira (8) perguntou para os entrevistados sobre expectativas para o governo do presidente eleito, Luiz Inácio  Lula  da Silva (PT). O Ipec quis saber como as pessoas acham que será o governo. As respostas foram: Ótimo : 18% Bom : 32% Regular : 20% Ruim:  7% Péssimo:  18% Não sabe/ não respondeu:  5% O Ipec ouviu 2 mil pessoas em todo país do dia 1º ao dia 5 deste mês. O instituto também ouviu a população sobre a avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).  39% avaliam como ótimo ou bom  e 36% como ruim ou péssimo. Outra pergunta foi se a equipe de Lula está no caminho certo ou errado, considerando o que vem anunciando e planejando até aqui. As respostas foram: Está no caminho certo : 58% Está no caminho errado:  33% Não sabe/ não respondeu:  9%

APREENSÃO DE BEBIDA ALCOÓLICA DOBRA EM 3 ANOS E SUPERA 900 MIL GARRAFAS

 


A apreensão de bebidas alcoólicas ilegais quase dobrou nos últimos três anos no país. As unidades apreendidas passaram de 471.085, em 2019, para 900.692, em 2021, um aumento de 91%, segundo dados da Receita Federal. Em valores, o aumento foi um pouco maior, de 109,5%, o equivalente a R$ 31 milhões, em 2019, para R$ 67,1 milhões, em 2021.

O mercado ilícito segue em alta em 2022. Só nos primeiros quatro meses deste ano já foram apreendidas 223,3 mil unidades, o equivalente a R$ 18 milhões. Além do contrabando, descaminho, sonegação de impostos e roubo de carga, o problema da falsificação de destilados é o que mais tem preocupado, pelos danos causados à saúde.

O avanço da ilegalidade no mercado de bebidas alcoólicas pode ser explicado pela queda da renda dos brasileiros e pela restrição de acesso durante a pandemia de Covid-19. A bebida adulterada chega a custar até 60% menos que o valor da original.

De acordo com Cristiane Foja, presidente-executiva da Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas), o problema vem se agravando desde o início da crise sanitária. Além do aumento no volume de bebidas irrregulares apreendidas, houve ao mesmo tempo um crescimento das operações de repressão por parte das polícias Civil, Federal, Rodoviária, Receita Federal e Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério da Justiça.

“O que acontece é que há um agravamento do mercado ilegal, talvez pela situação econômica do país. Existem diversos fatores sociais que justificam o aumento da ilegalidade. A dificuldade de acesso é um fator importante. A gente teve período de pandemia em que foi imposta a lei seca em mais de 200 cidades, a fim de evitar que as pessoas se reunissem. Com dificuldade de acesso aos locais de venda, o consumidor acaba buscando canais ilegais para adquirir os produtos”, afirma Cristiane.

Segundo levantamento da Abrabe, São Paulo é o estado com a maior incidência de bebidas falsificadas, seguido por Minas Gerais e Rio de Janeiro. Já o cenário de contrabando tem apreensões lideradas pelos três estados da região Sul do Brasil, com o Rio Grande do Sul em primeiro lugar.

Danos à saúde

O gastrocirurgião e endoscopista Eduardo Grecco alerta para os riscos de danos à saúde ao ingerir bebida adulterada, que podem levar a uma intoxicação e ao coma. “Você não tem controle sobre o que foi colocado de substâncias químicas e sobre o nível de quantidade de álcool. O paciente pode ter uma convulsão, um desmaio e perder a consciência, pelo efeito muito potencializado se estiver tomando níveis de teor de álcool acima de 50% a 60%, sem controle devido”, afirma.

O médico também destaca os efeitos no trato digestivo. A substância passa pelo esôfago e cai no estômago, podendo provocar gastrite, gastrite hemorrágica, úlcera, quadro de intoxicação, além de lesões no fígado.

Como identificar uma bebida falsificada

• Primeira orientação é desconfiar do preço, já que as bebidas ilegais são até 60% mais baratas.

• Procure comprar as bebidas em locais de confiança ou em sites que exigem nota fiscal do distribuidor.

• Observe a embalagem e o rótulo se não há diferenças dos originais.

• Veja se tem o selo do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), em produtos destilados.

• Verifique se o lacre está fechado. Caso esteja violado, a bebida pode ter sido adulterada.

• Desconfie se o líquido apresentar cor e odor diferentes, partículas e sujeira.

R7

Notícias mais lidas na semana.

COMISSÃO DO TRE-RN DÁ PARECER PELA REPROVAÇÃO DE CONTAS DA CAMPANHA WENDEL LAGARTIXA

VÍDEO: TORRE DESABA E ATINGE CASAS NA CIDADE DE BREJINHO, AGRESTE POTIGUAR

Postagens mais visitadas deste blog

PESQUISA BG/AGORASEI/96FM/GOVERNO REJEIÇÃO: FÁTIMA BEZERRA É A MAIS REJEITADA COM 36,4% , SEGUIDA DE GIRÃO COM 25,1%

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

PESQUISA BG/CONSULT/BOA SAÚDE/PREFEITO: WELLINGTON TEM 47,25%; E EDICE , 35,5% NA ESTIMULADA