APÓS ACUMULAR ALTA DE 80%, PREÇO DO LEITE COMEÇA A RECUAR

Imagem
  A fase mais crítica da disparada do preço do leite, que fez do produto o vilão da inflação e diminuiu sua presença nas prateleiras dos supermercados, está ficando para trás. A queda de preços no atacado que começa a ser registrada neste mês por causa da maior oferta e também do fim do período de seca já começa a trazer um alívio para o bolso do consumidor. Em julho, o leite subiu mais de 25% no varejo e acumulou alta de quase 80% no ano, segundo o IPCA, a medida oficial da inflação do País. Mas, desde o início de agosto até a última terça-feira, a cotação média do litro de leite no atacado de São Paulo já caiu quase 17%, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). “O pior momento de alta de preços acho que já passou”, afirma Samuel José de Magalhães Oliveira, pesquisador em economia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Gado de Leite. Ele pondera que o nível de preços anterior à pandemia não deve ser retomado, mas acredita que a

RN ABRE MAIS DE 22,6 MIL NOVAS EMPRESAS NO 1º SEMESTRE DO ANO

 


O Rio Grande do Norte abriu 22.673 novas empresas entre janeiro e junho de 2022, segundo dados do levantamento Painel Mapa de Empresas, produzido pelo Ministério da Economia. O estado potiguar acabou ficando na sexta posição da região Nordeste e o 19º do Brasil.

Na região Nordeste, os estados que mais abriram empresas no primeiro semestre do ano foram, nesta ordem, Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraíba e Maranhão. O estudo mostra que, nos seis primeiros meses de 2022, 10.858 empresas foram extintas no Rio Grande do Norte, o que garantiu ao Estado um saldo positivo de 15.541 empresas no período. O Empresário Individual é a natureza jurídica predominante no Rio Grande do Norte, com 196,2 mil registros, dos quais 22,9 mil foram feitos em 2022.

Segundo o Painel, São Paulo lidera entre os estados com maior número de empresas ativas, com mais de 5,6 milhões, e também foi o que registrou o maior número de empresas abertas no primeiro semestre de 2022: mais de 596 mil.

Ele é seguido por Minas Gerais, com 2,10 milhões de empresas ativas no total e mais de 212 mil empresas abertas entre janeiro e junho deste ano, e, na sequência, aparecem Rio de Janeiro (1,75 milhão/168 mil em 2022), Paraná (1,42 milhão/ 140 mil em 2022), Rio Grande do Sul (1,3 milhão/120 mil em 2022), Santa Catarina (1 milhão/109 mil em 2022), Bahia (971 mil/100 mil em 2022), Goiás (716 mil/79.595 em 2022), Ceará (564 mil/57 mil em 2022), Pernambuco (556 mil/56 mil em 2022), Espírito Santo (440 mil/42 mil em 2022), Pará (390 mil/43 mil em 2022), Mato Grosso (378 mil/43 mil em 2022), Distrito Federal (346 mil/38 mil em 2022), Mato Grosso do Sul (274 mil/27 mil em 2022), Maranhão (260 mil/26,1 mil), Paraíba (250 mil/26 mil em 2022) e Amazonas (195 mil/23 mil em 2022).

O levantamento também aponta que em todo o País foram abertas mais de 2 milhões de empresas neste primeiro semestre. Já o número de empresas extintas no mesmo período em todo o Brasil foi de cerca de 830 mil, o que gerou um saldo positivo de 1,19 milhão de empresas nos seis primeiros meses do ano.

O País conta atualmente com mais de 19,61 milhões de empresas ativas e o estudo mostra que o tempo médio de abertura de uma nova empresa no Brasil entre janeiro e junho de 2022 é de um dia e 18 horas e o tempo de registro de empresas é de um dia e 1 hora.

No primeiro semestre de 2022, o Estado que registrou o menor número de empresas abertas foi o Amapá: 3.975. Já os estados com os menores números de empresas ativas no total são Roraima (32.851), Amapá (37.983) e Acre (39.688). Já no que diz respeito à natureza jurídica das empresas no Brasil, o empresário individual é disparado a modalidade mais numerosa, com mais de 13,77 milhões de empresas. Depois aparecem a Sociedade Limitada (4,68 milhões), a Empresa Individual de Sociedade Limitada – EIRELI (880 mil) e a Sociedade Anônima (178 mil). O Consórcio Simples é a natureza jurídica menos praticada no país, com apenas 10 registros.

Na divisão por atividade econômica, o Comércio Varejista de Artigos do Vestuário e Acessórios é o mais numeroso no Brasil, com mais de 1,06 milhão de empresas ativas. O ramo dos cabeleireiros, manicures e pedicure aparece em segundo lugar, com 799 mil, seguido do ramo de promoção de vendas (539 mil), obras de alvenaria (512 mil), comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – minimercados, mercearias e armazéns (461 mil), lanchonetes, casas de chá, sucos e similares (436 mil) e restaurantes e similares (388 mil). 

A curiosidade é que, na ponta oposta, algumas atividades econômicas aparecem no Brasil com apenas uma empresa ativa. É o caso dos segmentos de pesca de crustáceos e moluscos em água doce, fabricação de veículos militares de combate, cultivo de juta, criação de escargô, criação de bicho-da-seda, comércio atacadista de coelhos e outros pequenos animais vivos para alimentação.

Notícias mais lidas na semana.

PESQUISA SETA/BANDRN MOSTRA INTENÇÃO DE VOTO DOS MOSSOROENSES PARA O GOVERNO DO ESTADO; CONFIRA RESULTADO

LAGOA DE PEDRAS (RN): PREFEITO GUILHERME AMÂNCIO GANHA EM ÚLTIMA INSTÂNCIA E SEGUE NO CARGO ATÉ FINAL DO MANDATO

TENTATIVA DE FUGA É FRUSTADA EM PENITENCIÁRIA NA GRANDE NATAL

Postagens mais visitadas deste blog

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

PESQUISA BG/AGORASEI/96FM/GOVERNO REJEIÇÃO: FÁTIMA BEZERRA É A MAIS REJEITADA COM 36,4% , SEGUIDA DE GIRÃO COM 25,1%

PESQUISA BG/SETA/SÃO GONÇALO/PREFEITO: PAULINHO TEM 59,6% DAS INTENÇÕES DE VOTOS CONTRA 26,4% DE POTI NETO