APÓS ACUMULAR ALTA DE 80%, PREÇO DO LEITE COMEÇA A RECUAR

Imagem
  A fase mais crítica da disparada do preço do leite, que fez do produto o vilão da inflação e diminuiu sua presença nas prateleiras dos supermercados, está ficando para trás. A queda de preços no atacado que começa a ser registrada neste mês por causa da maior oferta e também do fim do período de seca já começa a trazer um alívio para o bolso do consumidor. Em julho, o leite subiu mais de 25% no varejo e acumulou alta de quase 80% no ano, segundo o IPCA, a medida oficial da inflação do País. Mas, desde o início de agosto até a última terça-feira, a cotação média do litro de leite no atacado de São Paulo já caiu quase 17%, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). “O pior momento de alta de preços acho que já passou”, afirma Samuel José de Magalhães Oliveira, pesquisador em economia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Gado de Leite. Ele pondera que o nível de preços anterior à pandemia não deve ser retomado, mas acredita que a

DEFESA CIVIL REGISTRA RACHADURAS EM CINCO CASAS APÓS SÉRIE DE TREMORES DE TERRA NO RN

                                                              Foto: Reprodução


 

Pelo menos cinco casas de moradores de Touros, no litoral Norte potiguar, apresentaram rachaduras após a série de tremores de terra que ocorrem na região desde o fim de semana, segundo os dados da Defesa Civil do município. O último abalo foi registrado na manhã desta quarta-feira (3).  Já o mais intenso ocorreu no domingo (31), teve magnitude de 3.7 e chegou a ser sentido em outras cidades, como Natal.

Todos os eventos tiveram epicentro em uma área no Oceânico Atlântico, distante cerca de 30 quilômetros da costa. Na casa do gari Luis Barbosa de Oliveira, 49 anos, mais conhecido como Lucas, pelo menos três rachaduras apareceram depois do abalo de domingo. Ele teme novos tremores, algo que nunca tinha sentido na região.

Segundo o morador, o imóvel é novo, foi construído há cerca de 4 anos por ele. Um dos temores do morador é que um abalo maior gere ondas fortes. “Eu moro de frente para a praia. Aí tem esse medo”, revela. Segundo o coordenador da Defesa Civil de Touros, Everton Xavier, o órgão segue realizando o levantamento e o número de casas com rachaduras provocadas pelos abalos sísmicos ainda pode aumentar.

“No momento, temos cinco domicílios que apresentaram rachaduras, mas nada que comprometa a estrutura deles. A equipe de engenharia está visitando os domicílios para elaborar laudo técnico dos danos”, afirmou. Ainda de acordo com o coordenador, não há previsão de decreto de situação de emergência, ou algo parecido. No entanto, um “relatório de situação” será produzido para ser apresentado à prefeitura.

Ainda segundo a Defesa Civil municipal, o município vai auxiliar o Laboratório de Sismologia da UFRN na implantação de uma estação sismográfica no município.

G1 RN

Notícias mais lidas na semana.

PESQUISA SETA/BANDRN MOSTRA INTENÇÃO DE VOTO DOS MOSSOROENSES PARA O GOVERNO DO ESTADO; CONFIRA RESULTADO

LAGOA DE PEDRAS (RN): PREFEITO GUILHERME AMÂNCIO GANHA EM ÚLTIMA INSTÂNCIA E SEGUE NO CARGO ATÉ FINAL DO MANDATO

TENTATIVA DE FUGA É FRUSTADA EM PENITENCIÁRIA NA GRANDE NATAL

Postagens mais visitadas deste blog

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

PESQUISA BG/AGORASEI/96FM/GOVERNO REJEIÇÃO: FÁTIMA BEZERRA É A MAIS REJEITADA COM 36,4% , SEGUIDA DE GIRÃO COM 25,1%

PESQUISA BG/SETA/SÃO GONÇALO/PREFEITO: PAULINHO TEM 59,6% DAS INTENÇÕES DE VOTOS CONTRA 26,4% DE POTI NETO