PARQUE DO IMD GERA 2,1 MIL EMPREGOS E MOVIMENTA CERCA DE R$ 200 MILHÕES

Imagem
  Passados cinco anos da sua fundação e início das operações, o Parque Tecnológico Metrópole Digital, em Natal, chegou à marca de R$ 200 milhões em faturamento na soma das empresas presentes no ecossistema e já gera mais de 2.100 empregos em 91 marcas presentes. Vinculado ao Instituto Metrópole Digital, da UFRN, o Parque foi fundado em 2017 e conta com uma série de benefícios fiscais para os integrantes do polo tecnológico. Para o diretor-geral do Parque Tecnológico, Rodrigo Romão Nascimento, o espaço está cumprindo com o que foi projetado na sua concepção inicial.  “A ideia do Parque veio finalizar a missão do IMD, que era fomentar a criação de um polo de tecnologia da informação. O IMD começou por volta de 2011 com o ensino, pesquisa. Esses cinco anos foram necessários para consolidá-lo de fato, ter uma referência, identidade. Nossa missão daqui pra frente é ser um ambiente promotor de conexões para a área de TI”, explica Romão. O Metrópole Digital foi criado a partir da liberação de

SEIS EM CADA DEZ CIDADES ENFRENTAM FALTA DE REMÉDIOS NAS FARMÁRCIAS POPULARES

 


Milhões de brasileiros estão enfrentando dificuldades para encontrar remédios que precisam nas farmácias públicas. É uma preocupação para quem está doente, ou tem um parente nessa situação. Mas também para os médicos que prescrevem os medicamentos.

A dona de casa Patrícia Vieira percorre quase 70 quilômetros para pegar os remédios da filha, na farmácia do governo do estado do Rio, no centro da cidade, Lavína precisa ir junto, não tem com quem ficar. A menina teve meningite aos 11 meses e ficou com sequelas irreversíveis. Deveria tomar três remédios por dia....Deveria.

“Um mês eu consigo a metade aí ficam quatro, cinco meses sem conseguir. Ela já ficou oito meses sem conseguir o remédio”, conta a mãe.

Simples tarefas do dia a dia se tornam cansativas para Maria Aparecida. Faz 13 anos que ela descobriu que sofre de artrite reumatóide, uma doença autoimune e degenerativa, que inflama as articulações. Desde então, não pode viver sem remédios.

“A última vez que eu tinha que pegar medicação era no dia oito de setembro. Eu cheguei lá, não tinha a minha medicação”, diz a pensionista Maria Aparecida Cézar Bahiana.

Desde o início do ano, a Confederação Nacional de Municípios afirma que vem recebendo relatos sobre a falta de remédios em farmácias públicas do país. Essa série de reclamações estimulou a realização de levantamentos. A última pesquisa da confederação comprovou que hoje de cada dez cidades, seis enfrentam a escassez de medicamentos. Estoques vazios geram desespero em quem vê a saúde indo embora.

“A doença não espera a medicação chegar, muito pelo contrário, avança. Quando falta uma seringazinha dessa, atinge o emocional, atinge o físico, as articulações começam a responder pela falta da medicação”, afirma Maria Aparecida.

“Por ser uma criança às vezes você em casa a criança tem a crise, é triste”, diz Patrícia Vieira.

Segundo a pesquisa da Confederação Nacional de Municípios, que ouviu quase 60% das prefeituras do país, o desabastecimento é mais grave na região Nordeste. Os remédios mais básicos, como antibióticos, são os que mais faltam. Um dos motivos é a carência de insumos.

A Maria Aparecida e a Patrícia sabem que os medicamentos são um direito que não pode ser negado.

“Fui na Defensoria Pública para ver se eles tomam tenência de me dar a medicação certa e sempre”, afirma Patrícia Vieira.

Em agosto, ao responder aos questionamentos da Confederação Nacional de Municípios, o Ministério da Saúde afirmou que iria identificar as causas da falta de remédios e enfrentar o risco de desabastecimento. Nesta sexta (23), o Jornal Nacional questionou o ministério novamente, mas não teve resposta.

Notícias mais lidas na semana.

[ VÍDEOS ] INDIGNADA, POPULAÇÃO DE JUNDIÁ/RN PROTESTA CONTRA VEREADORES DA OPOSIÇÃO SOBRE PROJETO DOS CONTRATOS

VÍDEO: ACIDENTE DEIXA DOIS MORTOS E VÁRIOS FERIDOS GRAVES NA BR-101, NO RN

POLÍCIA FEDERAL PRENDE HOMEM QUE DESTRUIU RELÓGIO DE DOM JOÃO VI NO PALÁCIO DO PLANALTO

Postagens mais visitadas deste blog

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

PESQUISA BG/CONSULT/BOA SAÚDE/PREFEITO: WELLINGTON TEM 47,25%; E EDICE , 35,5% NA ESTIMULADA

PESQUISA BG/AGORASEI/96FM/GOVERNO REJEIÇÃO: FÁTIMA BEZERRA É A MAIS REJEITADA COM 36,4% , SEGUIDA DE GIRÃO COM 25,1%