"É APENAS UMA PRORROGAÇÃO", DIZ LULA SOBRE O 2º TURNO

Imagem
  O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que sua ida ao 2º turno das eleições presidenciais é “apenas uma prorrogação” e conclamou seus principais aliados a continuar trabalhando “até a vitória final”. Em pronunciamento na noite deste domingo (2.out.2022), o petista afirmou que terá a “chance” de debater diretamente com seu oponente Jair Bolsonaro (PL) e disse que trabalhará para ampliar suas alianças. “Durante toda essa campanha, a gente esteve na frente nas pesquisas de opinião pública de todos os institutos, mesmo aqueles que não queriam que a gente ganhasse, colocavam a gente em 1º lugar. E eu sempre achei que a gente ia ganhar essas eleições. Eu quero dizer para vocês que nós vamo ganhar essas eleições. Isso para nós é apenas uma prorrogação”, disse. O petista teve 57.256.053 votos – 48,43% dos votos válidos (sem considerar brancos, nulos e abstenções) e não conseguiu encerrar o pleito no 1º turno, como planejava. Na tentativa de se reeleger, Bolsonaro teve 51.070.95

WALFREDO GURGEL VOLTA A FICAR LOTADO E 80 PACIENTES ESPERAM POR CIRURGIA

 


O Hospital Estadual Walfredo Gurgel voltou a registrar superlotação em corredores e em leitos de enfermaria da unidade, que é o maior hospital público do Rio Grande do Norte. A fila no Walfredo até o fechamento desta edição era de 80 pessoas aguardando cirurgias ou transferência para outros hospitais, com perspectiva de diminuição deste número nesta sexta-feira (09). Na última quarta-feira (07), eram pelo menos 100 pacientes. Como a demanda ortopédica é a maior do Walfredo, a Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap) vai abrir leitos em duas unidades para tentar minimizar o problema. 

De acordo com o secretário de Saúde do RN, Cipriano Maia, há perspectivas de abertura de 12 leitos específicos de ortopedia em até 30 dias no Hospital Deoclécio Marques, em Parnamirim. A expectativa é ter mais um espaço de apoio para cirurgias ortopédicas além do Walfredo Gurgel. O Deoclécio já tem capacidade para cirurgias.

“Estamos buscando ativação de leitos, já fizemos no João Machado nas últimas semanas, fizemos no Giselda, com ativação de 30 leitos que estavam desativados no pós-pandemia e estamos na perspectiva de ativar 12 leitos de ortopedia de enfermaria no Deoclécio Marques, onde já ativamos 06 leitos de UTI”, apontou. 

Segundo a Sesap, foram abertos 8 leitos de neurocirurgia no João Machado e outros 10 leitos gerais, com expectativa de se abrir outros seis leitos clínicos na semana que vem. 

“Nossa equipe está trabalhando na desospitalização, que é uma orientação que já estamos fazendo. Se o paciente foi atendido por um trauma e pode esperar em casa, que vá esperar em casa com garantia de cirurgia marcada, como também viabilizando a transferência de pacientes para outros hospitais que possam recebê-los por estarem estáveis, por estarem apenas completando um tratamento de medicamentos e com isso desafogarmos o hospital”, comenta.

De acordo com o secretário de Saúde do RN, Cipriano Maia, o problema da superlotação do Walfredo Gurgel está associado a acidentes automobilísticos e fraturas entre pessoas idosas, o que representam a maioria dos atendimentos da unidade. O Walfredo é voltado para pacientes clínicos graves e pessoas politraumatizadas, além de vítimas de arma de fogo e arma branca.

“Temos tido uma sobrecarga em parte de acidentes que têm aumentado a demanda do Walfredo e de outras demandas que lá chegam, como acidente vascular encefálico e na ortopedia quedas com idosos. E o fato de não termos na Grande Natal nenhuma outra porta para resolver outros problemas simples da ortopedia, como uma situação que não precisa de cirurgia, isso leva a sobrecarga do Walfredo”, disse.

Regulação

Ainda segundo o secretário de saúde, Cipriano Maia, já há regulação no Hospital Walfredo Gurgel desde o final de dezembro do ano passado, isto é, quando o paciente já vem encaminhado de outro serviço de saúde com a garantia de ser atendido. Outra questão que leva a superlotação são as chamadas “ambulâncias brancas”, que em alguns casos vêm do interior do Estado sem regulação.

“Precisamos destacar que o problema não é o Walfredo, é o sistema de saúde como um todo. Quando você não tem a resposta adequada em todas as esferas de atenção, finda sobrecarregando as portas de urgência, porque não fecha portas, diferentemente do privado, que quando sobrecarrega, fecha. Os hospitais públicos não fecham portas, atende nas condições e onde tiver”, disse.

Para a vice-presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RN (Cosems-RN), Dailva Bezerra, o problema “se arrasta há vários anos” e “os hospitais regionais precisam  serem otimizados  para uma maior abrangência de serviços e assistência”.

“Tem alguns períodos que o sistema dá uma vazão e que tem a ver com o momento epidemiológico do território,  organização dos serviços, com a sua resolutividade de porta. Neste momento, temos discutido com a Sesap sobre as portas que estão abertas para receber os encaminhamentos do Walfredo, pois houve um aumento no Estado em acidentes e outros agravos e não podemos ficar com as macas represadas, pois os municípios ficam sem esse serviço no seu território”, comentou.

“Os municípios têm o papel  de atender a atenção  primária  e sua baixa complexidade. Em sua média, temos municípios polos que atendem uma complexidade  maior, mas somos pactuados a encaminhar a maior complexidade para nossa porta de referência de média mais complexa e de alta complexidade, através de um sistema regulatório, que  terá  que dar vazão  para outras portas, como por exemplo  o hospital Deoclécio Marques, Huol, o município de natal, Memorial/Paulo Gurgel e os hospitais Regionais. Mas reafirmo que os municípios estão cumprindo a sua missão”, finalizou. 

Em nota enviada à TN, a diretoria do Conselho Regional de Medicina do RN (Cremern) disse que a superlotação é um tema “preocupante”.
“Considera-se um problema estrutural, crônico, pela falta de uma rede de assistência, na qual se inclui uma assistência primária e secundária adequada nas diversas regiões do Estado. O Cremern, por ser um órgão com competência legal para fiscalizar a prática médica, tem realizado fiscalizações no HMWG e a partir dos relatórios de fiscalização se discute em plenária a busca de soluções. No entanto, trata-se de um problema complexo que exige da gestão a organização estrutural”, diz nota.

“No ponto de vista paliativo, será necessário um trabalho de diagnóstico, que especifique a causa atual da superlotação. A partir dessas informações deve-se buscar soluções, que amenizem essa situação. Considerando que a superlotação compromete a assistência médica, o Cremern, junto ao seu departamento de fiscalização, fará uma nova fiscalização”, acrescenta. 

Notícias mais lidas na semana.

NO RN, LULA ABRE MAIS DE 32 PONTOS DE VANTAGEM SOBRE BOLSONARO

PESQUISA EXATUS: FÁTIMA CHEGA A 46,50%; FÁBIO DANTAS 12,55% E STYVENSON 11,15%

PESQUISA CONSULT: FÁTIMA LIDERA COM 43,11%, FÁBIO DANTAS TEM 17,83% E STYVENSON 17%

Postagens mais visitadas deste blog

PESQUISA BG/SETA/JUCURUTU/PREFEITO: NA ESPONTÂNEA, IOGO TEM 37,2% E VALDIR TEM 20,9%

PESQUISA BG/AGORASEI/96FM/GOVERNO REJEIÇÃO: FÁTIMA BEZERRA É A MAIS REJEITADA COM 36,4% , SEGUIDA DE GIRÃO COM 25,1%

PESQUISA BG/CONSULT/BOA SAÚDE/PREFEITO: WELLINGTON TEM 47,25%; E EDICE , 35,5% NA ESTIMULADA